Já pensou pedir uma segunda via de uma conta de água que não chegou por correspondência e se deparar com um débito de quase R$ 2.1 mil reais? Foi o que aconteceu com a dona de casa Regina, que viu sua conta pular dos habituais R$ 75 para exatos R$ 309,21 em agosto, R$ 998,96 em setembro, 414,66 em outubro e 323,95 em novembro, totalizando R$ 2.046,78.

“Eu quase caí pra trás quando a moça me mostrou no computador”, relata. Como se recusou a pagar o valor, ela teve o serviço cortado e está sem água.

Ela conta que procurou o SAAE (Serviço Autônomo de Água e Esgoto) que disse, em um primeiro contato, que ela havia de fato consumido a quantia.

Para tentar resolver o problema, Regina chegou a contratar um encanador. Ele apurou todo o sistema hidráulico dentro da casa e não encontrou nenhum vazamento.

Histórico

De acordo com o ranking do cadastro de reclamações do Procon-Ba, em 2019 foram registradas 3.393 reclamações registradas até julho. Dessas, 2.625 são de cobranças indevidas, como a de dona Izabel; 193 são casos de serviço não fornecido; e 203 dúvidas sobre o valor cobrado.

No ano passado, foram registradas 3.706 reclamações contra a empresas que prestam serviço de fornecimento de água, por casos de cobrança indevida de valores. Além disso, houve 247 reclamações por serviço não fornecido e 232 dúvidas sobre o valor cobrado. Ao todo, foram 4.700 registros.

A Redação do Se Liga Alagoinhas tentou na manhã desta segunda-feira (11), contato com o diretor comercial do SAAE porém não tivemos êxito.

Fonte: Se Liga Alagoinhas