Pacientes que fazem tratamento psiquiátrico no Centro de Atenção Psicossocial (Caps) de Alagoinhas denunciam um problema que já se tornou crônico: a falta de medicamentos no local.

A unidade serve como uma central de tratamento para quem sofre com depressão, psicoses, esquizofrenia, síndrome do pânico, bipolaridade, ansiedade, entre outras doenças de caráter psíquico.

Os pacientes criticam o que consideram um descaso, e ainda afirmam que a situação acaba afetando o tratamento e gerando insegurança. “Quando a gente chega e fica sabendo que não tem o remédio, bate um desespero. A gente já fica pensando nas crises que vão ocorrer. É muito triste, e é um problema frequente”, comentou Maria de Fatima.

Já a dona de casa Luciene Santos, que trata depressão, afirma que a prefeitura parece “não se importar” com o que os pacientes e familiares estão passando. “Ele (prefeito) não precisa de um órgão público pra se tratar.

Ele tem condições em ir pra qualquer lugar do mundo se preciso for. (…) É uma pena ele tratar a saúde dessa forma, mesmo sendo médico, com tanto descaso”, frisou.

Sem dinheiro para comprar a medição, alguns pacientes afirmam que “racionam” os medicamentos ou acabam tendo que interromper o tratamento.

OUTRO LADO

Apesar de ter sido procurada para comentar a situação, mas até o fechamento dessa edição, a Secretaria da Saúde não enviou respostas sobre quanto a entrega de medicamentos será regularizada, nem sobre o que deve ser feito para que o tempo de espera de consultas seja reduzido.

Fonte: Se Liga Alagoinhas