O jovem médico Uenderson Araújo Barbosa, de 30 anos, só soube que hoje, 12 de agosto, era o dia dos profissionais do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (SAMU) após receber várias mensagens o parabenizando pelo ato que salvou a vida de uma gestante e o seu bebê, durante a madrugada.

A mulher que é hipertensa e não teve a identidade revelada, estava no sexto mês de gestação, passou mal e foi levada às pressas para o Hospital Geral do Estado (HGE). Como a unidade não é referência no atendimento a gestantes, ela precisou ser transferida para a Maternidade José Maria Magalhães Neto, hospital especializado nesse tipo de ocorrência.

Foi aí que a equipe do SAMU onde Uenderson estava entrou na história. Uma outra ambulância foi chamada para atender a emergência, mas como não tinha obstetra, um segundo veículo foi acionado, onde o jovem médico estava.

No caminho, o quadro da paciente evoluiu para uma parada cardiorrespiratória. Em casos graves como este, o êxito de uma manobra é difícil, e o óbito de mãe e filha quase irreversíveis.

Por conta da gravidade da situação, Uenderson tentou uma ação rara e ousada na literatura médica: a cesárea peri-mortem. “Durante as manobras de reanimação, a retirada do bebê aumenta as chances de sobrevivência. Com isso, a mãe voltou da parada cardiorrespiratória”, explicou o médico. “Foi a forma que encontrei de salvar essas vidas. Sempre faço o melhor pelos meus pacientes, quem me conhece sabe que eu esgoto todas as possibilidades”, disse. O procedimento foi realizado dentro do hospital.

A enfermeira Thais Carvalho também ajudou no parto e revelou que em oito anos de SAMU, nunca havia visto algo do tipo. Ela também classificou a ocorrência como a mais importante que já participou.

“Nunca vivenciei esse tipo de situação. Foi a primeira vez que vi isso”, conta. “Nesse momento que estamos vivendo a pandemia e temos notícias tão ruins… mas isso me deu um novo ânimo”, refletiu a profissional.

Quem também se impressionou com a atitude foi o coordenador do SAMU em Salvador, Ivan Paiva Filho, que usou as redes socias para elogiar a equipe. “Parabéns pela atitude, extensivo a todos os envolvidos”, escreveu.

Além da pouca idade, o médico tem apenas um ano e seis meses no Samu e entre todas as ocorrências que já atendeu, essa tem um lugar especial: “Já fui para parto que tinha previsão de nascer, mas vierem dois bebês, já atendi mãe degolada pelo filho e até socorri um colega que se acidentou e depois veio a falecer, mas essa foi uma ocorrência marcante na minha carreira de médico”, relatou.

A mãe está internada no HGE e o bebê foi encaminhado para a maternidade.

Fonte: Varela Notícias