“Eu daria tudo para ter meu filho perfeito, andando dentro de casa, falando com a gente. A nossa vida hoje se resume em cuidar dele”. Esse é o desabafo de Marcos Cicero, pai de Jefferson Feijó, de 23 anos. O jovem foi vítima de um brutal ataque homofóbico em dezembro de 2018, na cidade de Moreno, na Grande Recife, e agora não anda, não fala e precisa de ajuda até mesmo para se alimentar.

Jefferson estava na festa da padroeira da cidade com amigos, quando foi espancado, estuprado e roubado. Como consequência de uma lesão na cabeça, ele perdeu os movimentos, a fala e está sendo constantemente alimentado através de sonda. “O neurologista que tratou dele no hospital falou que o quadro dele é difícil, mas não é impossível ele ficar bem”, conta o pai.

Segundo ele, mesmo após quase um ano do crime, a família não está recebendo auxílio do INSS e só tem conseguido se manter através das doações que tem recebido. “A despesa é muito alta, tudo é através das doações. Se não fosse isso, não sei dizer o que a gente estaria fazendo. Não temos os recursos para manter”, afirma.

Além da alimentação especial, que já é um gasto alto para a família, Jefferson agora está na segunda etapa do tratamento. Ele necessita com urgência de uma maca ortostática, que permite a colocação do paciente na posição em pé. Para conseguir o aparelho, a família está realizando uma vaquinha.

“Hoje nossa vida se resume em só cuidar dele. A gente mudou para a capital, eu perdi meu emprego. Mas continuamos tratando com carinho e com amor, é o nosso filho. Quem é pai ou mãe entende o carinho”, desabafa o pai.

Como ajudar:
Vaquinha online: doe aqui.

Rifa de obra artística, em prol do tratamento: participe aqui.

Depósito ou transferência bancária (conta do pai de Jefferson):
001 – Banco do Brasil
Agência 2326-4
Conta poupança: 6343-6
Marcos Cícero Cruz
CPF: 440.973.874-72

Paypal: [email protected]

Entenda o crime

Em 7 de dezembro de 2018, Jefferson estava com quatro amigos comemorando a aprovação escolar. Segundo o relato do pai, o jovem estava com quatro amigos, quando o grupo foi abordado por um homem pedindo bebida. “Ele ficou observando os meninos e toda hora pedia bebida, até que a bebida de Jefferson acabou e ele não deu mais”, conta.

Mais tarde, Jefferson se ausentou da companhia dos amigos para urinar. Quando o grupo notou uma demora, saiu à procura do jovem e o encontrou desacordado, ensaguentado e nu. A vítima foi estuprada, roubada e agredida, ficando em coma por cerca de um mês após o ocorrido.

Fonte: Bhaz