Ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio (PSL) negou nesta segunda-feira (7) que irá se afastar do cargo. A declaração vem após ele ser indiciado pela Polícia Federal e denunciado pela Promotoria de Minas Gerais no caso das candidaturas laranjas do PSL.

As declarações foram dadas à Rádio Itatiaia. “Quem não deve não teme. Por que eu me afastaria, sendo que eu tenho minha consciência tranquila? Eu respeito muito o trabalho da Polícia Federal, do Ministério Público estadual, do Ministério Público Federal, da Justiça brasileira e eu vou ter minha oportunidade de, na Justiça, provar que, realmente, a minha conduta foi absolutamente idônea a frente do partido”, garantiu.

Deputado federal mais votado em Minas Gerais em 2018, Antônio era presidente estadual do PSL à época em que o suposto esquema fraudulento se desenhou. “Pelo fato de eu ser presidente do partido, eu teria que dar conta de todos os atos e ações de todos os membros do partido, sem ter absolutamente uma citação sequer ao meu nome. Vou fazer uma comparação grossa aqui. É como se o office boy aqui da Rádio Itatiaia, que é uma função nobre, cometesse qualquer delito na rua e o presidente da Itatiaia fosse responsabilizado por isso”, comparou.

O ministro ainda alega que o dinheiro utilizado na campanha veio da Executiva nacional do PSL. O valor não teria passado pelo diretório estadual do partido. “Eu jamais orientei qualquer candidato ou candidata a contratar qualquer fornecedor que seja”, afirmou.

O Ministério Público de Minas Gerais denunciou Marcelo Álvaro Antônio e outras 11 pessoas na última sexta-feira (4) sob acusação de falsidade ideológica eleitoral, apropriação indébita de recurso eleitoral e associação criminosa.

Fonte: Bahia Notícias