A Ronda Maria da Penha, primeiro projeto do governo do estado dedicado a combater a violência contra a mulher e o feminicídio, vai ganhar quatro novas unidades em Irecê, Entre Rios, Cruz das Almas e Jequié em 2019. A confirmação foi feita pelo secretário de Segurança Pública da Bahia, Maurício Barbosa, nesta sexta-feira (9), durante apresentação do balanço da atuação da pasta durante o primeiro semestre do ano.

As unidades especializadas da ronda dão suporte a mulheres vítimas de violência, que passam a ser acompanhadas por equipes da Polícia Militar da Bahia enquanto aguardam seus casos serem julgados legalmente. Para Barbosa, a iniciativa mostra o interesse na SSP em evitar que os feminicídios ocorram. “Demonstra a nossa preocupação nas ações preventivas. Nos interessa que os crimes não ocorram e isso é muito feito pelas ações, tanto pela Polícia Militar por meio da Ronda, como pela Polícia Civil que instaura os inquéritos”, falou.

Em Capim Grosso, cidade de 30.451 habitantes, de acordo com informações do IBGE/2018, os registros de violência doméstica são constantes. Os relatos são do Delegado de Polícia, Dr. Eugênio, bem como através da 91ª CIPM – Companhia Independente de Polícia Militar – agora sob o comando do Major Antônio Teixeira.

Na tarde do dia 10 de Fevereiro, do ano em curso, foi registrado na Rua Limoeiro, casa 239, Bairro Planaltino, crime de feminicidio, tendo como vítima a pessoa de Tamires Almeida Santos, 26 anos, morta a golpes de faca tendo autor do crime, a pessoa de Rafael dos Santos, companheiro da vítima, presos meses depois no Estado do Tocantins.

O crime de Tamires que mexeu muito com o sentimento da população, bem como muitas outras ocorrências, com informações também do CRAS – Centro de Referência de Assistência Social – que traz relatos também marcantes de vítimas da violência na cidade, leva o REPORTERBAHIA a perguntar: quando será implantada de fato a Ronda Maria da Penha em Capim Grosso? Pelo número de habitantes a cidade não comporta, mas pelos registros contabilizados via delegacia de polícia, sem dúvida alguma a Ronda Maria da Penha já deveria ter sido implantada e muito tempo em Capim Grosso, com constatações trabalhadas em uma audiência pública realizada na Câmara de Vereadores, pela Major Denice Santiago, em 2018, inclusive com um forte relato de uma jovem mãe, que foi vítima de cárcere privado do ex-companheiro durante anos, dentre outras situações.

A verdade é uma só: tem muita mulher apanhando de todas as formas em Capim Grosso; isso é fato. Então com a palavra as autoridades da SSP/BA, Comando da Polícia Militar, que vem atuando dentro dessa proposta de Ronda Maria da Penha, mas ainda sem o alcance efetivo do número de casos registrados na cidade, Ministério Público, Judiciário, bem como toda a sociedade Civil Organizada.

Fonte: Bahia Notícias