Fruto do requerimento nº 014/2019, de autoria do vereador João Henrique Paolilo, foi realizada no dia 05 de junho na Câmara Municipal de Alagoinhas, uma Audiência Pública para tratar da evolução dos trabalhos e a aplicação dos recursos recebidos no exercício do ano de 2018 da Pastoral do Menor de Alagoinhas.

A mesa foi composta, além do vereador autor por: Jean Afonso, Secretário de Educação, Ludmila Fiscina, Subsecretária de Assistência Social, Jucilene Barreto, Conselheira Tutelar, Capitã Aurenivea, Polícia Militar, Diva Rabelo, Coordenadora Geral, e Padre Freddy Groven, Fundador da Pastoral.

Diva Rabelo apresentou os parceiros que contribuem com a entidade e destacou a participação dos vereadores João Henrique, Roberto Torres, Luciano Sérgio e Pastor Lins, que destinaram uma parcela das suas emendas individuais no ano de 2018 para atender ao Projeto Arte Pela Vida: “Além desses 4, esse ano temos mais dois vereadores que também aderiram à esse projeto: Darlan Lucena e Raimundo Gode”, pontuou.

A instituição atende cerca de 620 crianças e adolescentes em situação de risco e vulnerabilidade social, distribuídos nos cinco projetos existentes atualmente, são eles: Arte pela Vida, Abrigo Provisório Semente do Amor, Arca de Noé (parceria com a SEDUC), Conviver (Projeto de atendimento às famílias dos educandos), e o Jovem Aprendiz.

Padre Freddy fez um apelo para que as pessoas doem recursos para a entidade através da Central de Doação e falou de um dos seus grandes sonhos: a criação de uma lei a fim de que seja destinado 1% do orçamento anual do município para entidades engajadas com trabalhos sociais.

Ao final, o vereador João Henrique agradeceu a presença de todos e ressaltou: “Muitos desafios ainda estão por vir para que a Pastoral volte a ter aquele protagonismo que tinha outrora, mas que a situação vem melhorando a cada ano. Em 2017 destinei 25 mil reais das minhas emendas parlamentares, em 2018 destinei 55 mil reais, e agora em 2019, apesar da mudança da lei, eu destino 35 mil reais para que instituições como a Pastoral do Menor possam vencer os chamamentos públicos.”

Fonte: ASCOM CÂMARA