“Respeito não é privilégio, é direito”: Prefeitura realiza primeiro evento alusivo ao Dia da Visibilidade Trans em Alagoinhas - Portal Alagoinhas News - Notícias de Alagoinhas e Região

Post Top Ad

quinta-feira, janeiro 31, 2019

“Respeito não é privilégio, é direito”: Prefeitura realiza primeiro evento alusivo ao Dia da Visibilidade Trans em Alagoinhas



Em 29 de Janeiro de 2004, um grupo de ativistas formado por mulheres transexuais e homens trans entrou no Congresso Nacional para lançar a campanha “Travesti e Respeito”, promovida pelo Ministério da Saúde. A data marcou a primeira campanha nacional idealizada e organizada pelas próprias trans, e tinha por objetivo, ressaltar a importância de respeitar a diversidade e o próprio movimento.

Assim,  no  Dia da Visibilidade Trans de 2019, a Prefeitura de Alagoinhas, por meio da Secretaria Municipal da Assistência Social, em parceria com a Aliança pela Promoção LGBT+ de Alagoinhas (LIDA LGBT+) e outras entidades  promoveu, na Praça Rui Barbosa, o 1º “Quebrando o Tabu”.

Mediado pelas diretoras da LIDA , Samara Braga e Luciana Mendes, o Quebrando o Tabu foi o primeiro momento público realizado em 165 anos, desde a emancipação política da cidade, a reunir pessoas para discutir  a invisibilidade e o preconceito que travestis, mulheres e homens trans enfrentam diariamente. Tais fatores são responsáveis pelo baixíssimo nível de qualidade de vida da maioria absoluta desta população, uma vez que levam à evasão escolar, à dificuldade de ingressar no mercado de trabalho, à prostituição como única alternativa possível de renda, e muitas vezes, à morte.

A expectativa de vida para a população no Brasil é de, em média, 75 anos, no caso da população trans essa média cai para menos da metade – 35 anos. Apenas em 2017, conforme o relatório do Mapa dos Assassinatos de Travestis e Transexuais no Brasil, publicado pela Associação Nacional de Travestir e Transexuais (Antra), quase 180 pessoas trans foram mortas por conta da sua identidade de gênero.

“Por isso a necessidade de um dia como hoje. Para discutir o preconceito, a violência e a morte de tantas pessoas, para que a sociedade possa refletir e se engajar. A sociedade precisa saber que também é responsável pela cidadania das pessoas trans. Esse momento é essencial para que nós busquemos o reconhecimento de direitos e afirmação. Assim como qualquer um, nós só queremos respeito e dignidade. Isso não é um privilégio, é direito”, disse Samara Braga. “ O preconceito, a discriminação, nos faz sofrer, renunciar a sonhos e nos esconder”, completa a militante ao se referir ao curso de Licenciatura em Letras na Uneb de Alagoinhas, o qual precisou interromper por conta de dificuldades financeiras.

Iniciado às 17h, o evento seguiu até por volta das 20h, com participação ativa da plateia. Algumas pessoas manifestaram curiosidade em relação ao universo trans e outras fizeram relatos emocionantes que retrataram o preconceito, as dificuldades e os desafios de ser uma pessoa trans no município e no Brasil.

O evento serviu também para mostrar os serviços ofertados pela SEMAS por meio do Centro de Referência Especializado (Creas) , além dos muitos outros serviços do âmbito assistencial voltados a esse grupo, considerado de alta vulnerabilidade social.

“Nossa gestão sempre teve a preocupação em construir um elo com a comunidade LBGT da nossa cidade, a fim de garantir direitos e fortalecer o movimento. A LIDA LBGT+ nos procurou para construir uma Agenda LGBT e incluir os outros grupos que desejem participar. Nós estamos juntos para garantir cidadania a todos e estamos empenhados em montar o Conselho LGBT e contamos com todos”, declarou o secretário de Assistência Social, Alfredo Menezes, presente no evento.

O próximo Quebrando o Tabu será realizado no dia 28 de fevereiro.

Fonte: SECOM PMA
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Portal Alagoinhas News.

Post Bottom Ad