Banda New Hit volta aos palcos com a formação original seis anos após estupro - Portal Alagoinhas News - Notícias de Alagoinhas - Bahia e Região

Post Top Ad

domingo, outubro 21, 2018

Banda New Hit volta aos palcos com a formação original seis anos após estupro

A banda de pagode baiana New Hit voltou aos palcos com sua formação original. A apresentação aconteceu na última quarta-feira (17/10) durante participação especial no show do grupo Zé Paredão em uma casa de Salvador. O show, porém, não indica que a New Hit tenha reativado a agenda depois do caso de estupro em 2012.

Oito integrantes da New Hit foram acusados de estupro no município de Ruy Barbosa. Weslen Danilo Borges, William Ricardo de Farias, Michel Melo, Jhon Ghendow de Souza, Alan Aragão Trigueiros, Edson Bonfim Berhends, Eduardo Martins Daltro de Castro Sobrinho e Guilherme Augusto foram presos em pelo menos duas oportunidades.

Vários vídeos foram gravados no show de quarta-feira, mas não é possível notar a participação de todos os oito. O vocalista, Eduardo, estava comandando o grupo na volta aos palcos. Procurado pela reportagem do Aratu Online, o empresário da New Hit na época em que o estupro ocorreu, Jorge Sacramento, negou ligação com o retorno.

O CASO 

O grupo foi considerado culpado por abusar sexualmente de duas adolescentes, de 14 e 16 anos. De acordo com a justiça, o crime aconteceu dentro do ônibus do grupo, após um show, na cidade de Ruy Barbosa, em agosto de 2012.

Consta na decisão judicial que, dentro do veículo, as vítimas foram submetidas a “atos libidinosos”. A peça descreve com detalhes o que aconteceu. Há relatos de “conjunção carnal praticada com extrema violência e em alternância, entre outras provas do crime, a comprovação de que uma das vítimas era virgem”.

Em entrevista na época, a deputada estadual Luíza Maia (PT) expressou a sua indignação com o fato. “Lamentamos esse absurdo, o crime que os caras praticaram, a crueldade, a estupidez, com as duas jovens que estão até hoje cheias de traumas. Foram condenados e não passaram nem metade da pena presos. É uma coisa horrorosa”, disse.

No final de 2017, Weslen, William, Michel, Jhon, Alan, Edson, Eduardo e Guilherme foram novamente presos. Eles, que ficaram nos Presídios de Salvador e Feira de Santana, foram liberados em março de 2018 após habbeas corpus.

Fonte: Aratu Online
ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião do Portal Alagoinhas News. É vetada a postagem de conteúdos que violem a lei e/ ou direitos de terceiros. Comentários postados que não respeitem os critérios podem ser removidos sem prévia notificação.

Post Bottom Ad